Vallim Assessoria Empresarial

Fale Conosco

Informações de Contato

  • (21) 3083-4621 | (21) 2473-0600 (21) 98111-6849

  • comercial@vallim.eng.br

  • 08.00 às 17.00
    Segunda - Sexta

Acreditação de laboratórios e suas implicações (Parte II)

    • Home
    • Post
    • Acreditação de laboratórios e suas implicações (Parte II)
abr, 22
0

A acreditação deve começar com a qualificação dos envolvidos. Ao contrário do senso comum o processo de qualificação não se encerra no treinamento. O treinamento é o início, serve para contextualizar. Depois é necessário colocar em prática.

Como a ISO/IEC 17025 estabelece, é preciso ter competência para realizar qualquer atividade, e isto se consegue através da execução das atividades com o acompanhamento de pessoal já qualificado.

O pessoal envolvido com a acreditação deve ser qualificado para todas as atividades, desde a implantação até a manutenção do Sistema de Gestão. Estas atividades incluem, entre outras, a realização de auditorias, análises críticas e as atividades de laboratório, termo que abrange todas as ações relativas à atividade fim do laboratório.

A solução doméstica pode ser uma solução, dependendo do porte da organização, mas, manter um profissional qualificado em uma única função não tem uma relação custo-benefício favorável. Como resultado o responsável pelo sistema de gestão é alocado também na operação, que tem prioridade. Como resultado uma das duas áreas fica a descoberto.

A experiência mostra que a melhor solução é ter um consultor, por tempo limitado, qualificando o pessoal interno. A primeira vez que participei de uma certificação, ISO 9001, como funcionário da empresa segui este plano. Hoje, como consultor, aplico. Segue a sugestão.

1 – O pessoal que vai gerenciar participa de um curso de requisitos ou da implantação da norma. ISO 9001, ISO/IEC 17025 ou qualquer outra norma de certificação ou acreditação.

2- É definido um plano de implantação do sistema de gestão: mapeamento dos processos, análise de riscos, identificação dos procedimentos necessários, treinamentos, auditoria, análise crítica.

3 – Coloca-se o plano em prática, corrigindo o que for necessário.

4 – É realizado o processo de a acreditação, ou certificação.

OBSERVAÇÃO: não é aconselhável que durante a auditoria, na certificação, ou a avaliação, na acreditação, tenha pessoal externo acompanhando. Tira a credibilidade.

5 – São tratadas eventuais não conformidades identificadas na auditoria de certificação ou avaliação da acreditação.

6 – O pessoal qualificado externo sai do processo deixando o pessoal interno qualificado para as atividades de rotina.

(Continua)

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão identificados por *