Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Análise Crítica Pela Direção

Postado 2018/05/21

Para que as organizações obtenham maior retorno, em função da Certificação ou Acreditação de seu Sistema de Gestão (SG), é necessária a realização periódica de Análises Críticas (AC). Como a concepção SG é de responsabilidade da Direção o óbvio é que a Direção seja o agente desta Análise Crítica. Mas nem sempre é assim.

Como já foi tratado em artigos anteriores, existem SG que não tem o envolvimento necessário da Direção. Assim, esta não dá a importância devida para a realização de AC. Veja algumas situações reais e avalie se é importante a participação da Direção.

Caso 1 – Em uma fábrica eram utilizados terminais de chumbo. Os terminais eram colocados à disposição da produção e repostos quando necessário. Uma auditoria detectou que a quantidade de terminais utilizada era muito menor que a quantidade disponibilizada. Não foi identificada a localização do material que deveria sobrar, fato considerado sem importância pela Chefia da produção.

Comentário – Ok, falha da Chefia da Produção, mas não é a Direção que define as coordenadas e aprova o SG? As ações não precisam de controle, ou supervisão?

Caso 2 –  O acompanhamento de serviços contratados identificou que era comum a curva de avanço do serviço ser muito inferior à de custos previstos para as mesmas etapas. Fato considerado normal pelo setor de planejamento dos Serviços.

Comentário – Ok, tem controle (Planejamento), mas falhou junto com a produção. Não seria o caso de AC mais frequentes, ou outra Ação Corretiva?

Caso 3 – As ameaças e oportunidades identificadas nas AC anteriores não se concretizaram. Os cenários se mostraram diferentes das expectativas, “surpreendendo” a Direção.

Comentários – Certo, agora foi a Direção que falhou. Será que a Direção não precisa de um suporte melhor? Por exemplo, uma consultoria ou um profissional experiente em cenários.

Caso 4 – O indicador de lucratividade dos serviços é sempre aprovado, pela Direção independentemente de ser positivo, com justificativas diversas.

Comentários – Já destaquei o fato do Dono ser responsável por todos, ou seja, todos dependem de suas decisões. Diante desta situação, talvez seja importante considerar o papel da Governança Corporativa.

Os casos acima, que vivenciei em múltiplas organizações, exemplificam os motivos das ações nas mais diversas áreas afetarem a sobrevivência das organizações. Pode-se pensar que são apenas tarefas do dia-a-dia mal realizadas, mas, as AC têm como objetivo reavaliar todo o SG. Por isto englobam todo o conjunto, todos os processos e todos os seus resultados, inclusive de auditorias. Esta análise global permite isolar o fato isolado e identificar claramente os problemas sistêmicos

Leia o resto desta entrada »

Acreditação de laboratórios e suas implicações (Parte V)

Postado 2018/05/13

Quando se fala em acreditação (ISO/IEC 17025) ou em certificação (ISO 9001) é comum o desdém. Muitos pensam que as normas são apenas um monte de burocracia inútil e só as adotam porque algum cliente pediu. É uma espécie de “efeito Tostines” - É mal compreendido porque foi mal implantado ou foi mal implantado porque foi mal compreendido.

Leia o resto desta entrada »

Acreditação de laboratórios e suas implicações (Parte IV)

Postado 2018/05/08

Devia ser simples, existem normas definindo os requisitos dos Sistemas de Gestão (SG) e todos nós sabemos que eles são criados para satisfazer às partes interessadas. Não tem como dar errado! Não? Tem sim!

Leia o resto desta entrada »

Acreditação de laboratórios e suas implicações (Parte III)

Postado 2018/05/04

Agora você tem o seu certificado. Seus problemas acabaram! Acabaram? Não! Agora vem a parte mais difícil, demonstrar que o Sistema de Gestão (SG)foi implementado com eficiência, está mantido e, principalmente, como lidar com as novas realidades.

Leia o resto desta entrada »

Acreditação de laboratórios e suas implicações (Parte II)

Postado 2018/04/22

A acreditação deve começar com a qualificação dos envolvidos. Ao contrário do senso comum o processo de qualificação não se encerra no treinamento. O treinamento é o início, serve para contextualizar. Depois é necessário colocar em prática.

Leia o resto desta entrada »

Acreditação de laboratórios e suas implicações

Postado 2018/04/13

A maioria da população ignora o que é acreditação de laboratórios na norma NBR ISO/IEC 17025, e a influência dela em suas vidas. 

Leia o resto desta entrada »

Das emoções

Postado 2018/04/08

Reunindo as memórias sobre os efeitos das emoções no ambiente corporativo, identifico o fator humano como a variável que mais apresenta riscos aos processos. Penso que as emoções são o principal fator de sucesso ou de derrota.

Leia o resto desta entrada »

Eu queria ganhar o que eles perdem

Postado 2018/04/02

Quando uso alguns serviços eu penso, eu queria ganhar o que eles perdem. Você já teve esta sensação?

Leia o resto desta entrada »

Cada palavra tem seu significado

Postado 2018/03/25

Uma das grandes dificuldades em se implantar um sistema de gestão baseado em normas é compreender o significado das palavras no texto. Embora a ISO/IEC 17025 esteja sempre se aproximando da ISO 9001, alguns especialistas em uma norma divergem nos conceitos e criam outras interpretações, ficando sacrificado o entendimento pleno do “espírito da lei” no requisito. Por este motivo é importante que o gestor adote uma abordagem ampla e conheça as diversas normas e suas abordagens.

Leia o resto desta entrada »

Venha ser parceiro da VAE

Postado 2018/03/23

Precisamos de parceiros para instalações de calibração, teste e treinamento

Leia o resto desta entrada »