Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Cada palavra tem seu significado

Postado 2018/03/25

Uma das grandes dificuldades em se implantar um sistema de gestão baseado em normas é compreender o significado das palavras no texto. Embora a ISO/IEC 17025 esteja sempre se aproximando da ISO 9001, alguns especialistas em uma norma divergem nos conceitos e criam outras interpretações, ficando sacrificado o entendimento pleno do “espírito da lei” no requisito. Por este motivo é importante que o gestor adote uma abordagem ampla e conheça as diversas normas e suas abordagens.

Começo meus cursos sempre com a terminologia. Algumas palavras parecem sinônimos, mas seu contexto é muito diferente. Por exemplo, um sistema implementado significa que a sua implantação acabou. Aplica-se este termo para evitar a desculpa “o sistema é novo...”.

Eficiência se refere a algo que, além de eficaz (resolveu), usou menos recursos. Sob o ponto de vista das ações corretivas a ação deve ser eficaz, mas sob os pontos de vista de riscos e indicadores quanto mais eficiente melhor.

Algumas vezes os termos são mascarados. Por exemplo, quando a norma utiliza “... deve ser capaz de...” a palavra oculta é validação. Validação é a capacidade de se atender ao fim que se destina: a ação, o procedimento, o instrumento, o ambiente, etc. Alguns fogem do termo porque utilizar a palavra validação significa que será necessário validar, ou seja, comprovar através de exercício que o item atende ao fim que se destina.

Um laboratório tinha o hábito de se realizar es ensaios variando instrumentos, técnicos, arranjos, acessórios e tudo o mais. Esta prática, além de demonstrar sua capacidade, permitia estabelecer a influência de cada item, ou sua irrelevância. Esta prática resultava em saídas para otimizar o procedimento, treinamentos de correção e execução e saídas para a estimativa da incerteza de medição. Não sei se ainda age desta forma mas era naquele tempo um dos melhores laboratórios que avaliei.

Algumas palavras saem de cena, mas ainda são úteis para facilitar o entendimento dos requisitos normativos como a antiga “disposição” para itens não conformes e, mais recentemente as ações preventivas. Alguns conceitos parecem novos, mas já existiam.

Ações e análises de riscos são “novos requisitos” da 17025. Novos? O conceito de análise SWOT é antigo; associado às ações preventivas, aos objetivos, às metas e aos indicadores fica claro que o requisito já existia, sendo apenas explicitado.

Outro temo “novo” é atividades de laboratório. Tudo bem que incluiu amostragem, mas também era algo implícito. Se meu produto é o ensaio ou a calibração, tudo associado é atividade de interesse. Não é possível distinguir atividades de apoio da atividade fim quando todas podem facilitar ou prejudicar o processo.

Outro ponto “novo”, a maior abrangência dos equipamentos. Da mesma forma que as a atividades de laboratório, nunca foi possível outra abordagem que não a atual.

Quanto a equipamentos tenho que dar o braço a torcer, era necessária a explicitação. Certa vez em uma avaliação de SAR, taxa de absorção específica para celular, eu enquadrei a solução utilizada no Phantom como reagente. Foi a melhor forma que encontrei para que fosse garantida a sua eficácia.

 

Diversos outros termos devem ser observados com atenção. Quanto melhor conhecemos as palavras, melhor as utilizamos. Como consequência menos problemas temos com nossos sistemas.

 

Você já teve alguma dificuldade causada pelo uso incorreto de palavras?